sábado, 17 de outubro de 2009

As Leis de Deus! Parte II - A Lei do Amor

Para reflexão.....

Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei, lei divina, mediante a qual governa Deus os mundos.

O amor é a lei de atração para os seres vivos e organizados.

A atração é a lei de amor para a matéria inorgânica.


A nobreza de caráter, a confiança, a benevolência, a fé, a ciência, os dons e as possibilidades são fios preciosos, mas o amor é o tear divino que os entrelaçará, tecendo a túnica da perfeição espiritual.

A grande maravilha do amor é o seu profundo e divino contágio. Por esse motivo, o Espírito encarnado, para regenerar os seus irmãos da sombra, necessita iluminar-se primeiro.

Esclarecer é também amar.

Em todos os lugares, um grande amor pode socorrer o amor menor, dilatando-lhe as fronteiras e impelindo-o para o Alto,
e, em toda parte, a grande fé, vitoriosa e sublime, pode auxiliar a fé pequenina e vacilante, arrebatando-a às culminâncias da vida. (André Luiz)

Amar é o grande desafio. Não há como negar ser o amor a realidade mais pujante da vida. Irradia-se de Deus e vitaliza o Universo, mantendo as Leis que produzem o equilíbrio. Transcendendo definições, o amor é vida exuberante; é a razão básica da manifestação do ser que pensa e que sente. Assim, o amor deve ser causa, meio e fim para o comportamento humano feliz, que desperta com anseios de plenitude.

Amar é servir, compreender, auxiliar, abençoar, libertar... Que o teu amor seja paz e vida, alegria e esperança naqueles a quem ofertas dedicação e carinho. Não te permitas entravar os passos dos entes queridos com grilhões psicológicos, porque toda afeição possessiva é sinônimo de sofrimento.


O amor é alimento para vida, que atua nos fulcros do ser e harmoniza os “equipamentos eletrônicos” do perispírito, responsáveis pela interação espírito-matéria. A sua vibração acalma e dá segurança, ao mesmo tempo reabastece de forças e vitalidade insubstituíveis. A falta de amor na infância é responsável por muitos males que afligem os adultos.

Se desejas partilhar o concerto das bênçãos divinas, ama e serve, sem cogitar de ser amado e sem a expectação de ver-se servido. Quem ama realmente nada pede, nada reclama, nada exige e nada procura senão a alegria do objeto amado, para que o amor se estenda, a multiplicar-se soberano e sem fim. Enquanto esperas o manto ilusório das considerações humanas, teu amor sofre a vizinhança da vaidade. Enquanto aguardas a compreensão dos outros, o teu amor experimenta a inquietante aproximação do egoísmo. (Emmanuel)

O amor puro é o reflexo do criador em todas as criaturas. Surge, sublime, no equilíbrio dos mundos erguidos à glória da imensidade, quanto nas flores anônimas esquecidas no campo. Plasma divino com que Deus envolve tudo o que é criado, o amor é o hálito dele mesmo, penetrando o universo.


O amor é de origem divina. Quanto mais se doa, mais se multiplica sem jamais exaurir-se.

O amor puro é a síntese de todas as harmonias conhecidas.

Uma ótima semana!!!!



Nenhum comentário:

Postar um comentário